O FILME

O INÍCIO

O filme "Castelo de Terra" tem sido pensado desde 2012, ao longo da vivência pessoal da diretora. Em um contexto de um novo êxodo urbano, ela registrou sua chegada em Minas Gerais, reconstruindo uma vivência de sete anos em 95 minutos através de um olhar pessoal e engajado. 

 

O projeto começou em formato websérie, realizada de forma totalmente autoral e sem verba de produção. A websérie O Brasil, Márcio... e eu? recebeu o prêmio “Brouillon d’un rêve multimídia” em 2014, o que encorajou Oriane a prosseguir nas suas buscas audiovisuais. Oscilando entre a prática pessoal na busca de um modo de vida diferente e o registro dessa experiência, ela conseguiu estabelecer uma relação de confiança com as pessoas filmadas, permitindo uma real imersão do espectador dentro da sua realidade.

 

Em 2017, vários artigos sobre a websérie e a experiência do casal foram publicados na França e no Brasil. Na sequência,  Oriane recebeu relatos de pessoas do mundo inteiro que se inspiraram nos vídeos e compartilhavam das mesmas experiências. Dois ilustradores franceses, que trabalhavam em um filme de animação na região da zona da mata, se interessaram pelas ilustrações do Marreco sobre a nossa história. Foi dessa forma que surgiu a ideia de dar vida a esses desenhos, sobrepondo-os às imagens filmadas, e simbolizando o imaginário dentro da realidade.

 
 
 

ficha técnica

94 min. / documentário / França - Brasil / 2020 / cor

Idiomas: Português e Francês

Formato de gravação: HD

Formato de projeção: DCP / Bluray 

Som: 5.1 / Stereo

Janela: 16:9

Classificação Indicativa: Livre

 

Direção: Oriane Descout

Imagens: Oriane Descout

Som Direto: Oriane Descout

Produção Executiva: Milana Christitch e Tatiana Mitre

Roteiro de Montagem: Ana Carolina Soares e Oriane Descout

Montagem: Eléonore Greif, João Gabriel Ríveres e Oriane Descout

Montagem do trailer: Lorraine Franceschi

Edição de som e Mixagem: Kinane Moualla

Música Original: Wagner Candian

Correção de cores: Gautier Gumpper

Direção de Animação: Jackson Abacatu

Gravação e Mixagem de músicas: Glaydson Mendes

Identidade Visual: Clara Moreira

Elenco: Oriane Descout e Márcio Soares Santos (Marreco)

Assistência de Animação: Fabiano Banna e Leandro Silveira

Produção Local: Rafaella Lima e Renatta Barbosa

Still e Making of: Rafaella Lima e Jáder Barreto Lima

O FILME

JUSTIFICATIVA

O novo êxodo urbano atual, como tentativa de escapar da cidade grande e voltar ao campo, torna-se ainda mais coerente pela questão ambiental e climática. Com essa nova configuração social, observa-se um interesse crescente por experiências concretas, que repensam as relações de consumo, poder e status social.

 

Castelo de Terra se insere nas vivências reais deste contexto. Castelo de Terra se insere em uma demanda de relatos singulares de vivências reais. A decisão de Oriane foi radical: deixar seu país para viver em uma comunidade alternativa e rural; abandonar o trabalho assalariado; construir sua casa de forma autônoma, coletiva e sustentável junto a seu companheiro; e cultivar sua própria comida. Porém, existem diversos níveis de transição e os questionamentos pessoais que surgem, num contexto capitalista, muitas vezes frustram. Mudar de vida significa deixar sua zona de conforto para se adaptar a outro modus operandi,  e nos faz reavaliar nossas certezas e hábitos. 

 

Por outro lado, a sociedade em volta continua evoluindo, mas nem sempre em uma direção favorável a esses caminhos alternativos. Os últimos anos foram marcados por uma grave crise política no Brasil , que o casal não pôde e nem quis ignorar.

É sobre esses questionamentos que o filme discorre, principalmente através das conversas entre Oriane e Marreco, e da narração em off, contata por Oriane em francês.

PRODUÇÃO

Castelo de Terra é uma co-produção  Franco brasileira com patrocínio de dois fundos franceses ( Estrasburgo Eurometrópole e da região "Grand Est") e da Energisa através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura. A co-produtora majoritária Ana Films está sediada em Estrasburgo - França. Uma parceria já foi firmada com a Mozaïc TV (televisão local), e a Oito TV, canal francês que exibe conteúdo em português. Em Minas Gerais, a produtora Amarillo Produções Audiovisuais é sediada em Belo Horizonte. O filme recebeu o apoio do Polo Audiovisual de Cataguases e da Fábrica do Futuro na etapa de pós-produção para a realização das animações e da trilha original.

A empresa Ana Films foi fundada em 1993 por dois diretores, Gautier Gumpper e Jean-Marie Fawer. Produzimos principalmente documentários e contamos com cerca de cinquenta filmes no nosso catálogo, co-produzido com canais como Arte / ZDF, France 3 Alsace, Alsace 20, Mosaïk, Televisão Vosges, KTO, France O ...

Nossos documentários são principalmente filmes com temas sociais ou históricos. No entanto, nossa linha editorial permanece aberta e evolui conforme os encontros com os diretores.

 

Uma das características de nossa empresa é o compromisso com os diretores. O acompanhamento - geralmente oferecido às primeiras obras - é experimentado como um desafio estimulante. A experiência de Jean-Marie e Gautier como diretores permite que eles dêem uma olhada de dentro e sigam todas as etapas dos projetos.

 

Cada filme de nosso catálogo está disponível em DVD e é distribuído através de livrarias especializadas ou através de distribuidores profissionais como ADAV (entre bibliotecas, instituições) ou BELIANE (para canais de televisão nacionais ou estrangeiros). Essas vendas permitiram reforçar a difusão de nossos filmes, que também são regularmente exibidos no contexto de festivais, mas também de projeções temáticas organizadas por iniciativa de associações, cinemas…

Fundada em 2014, a Amarillo Produções Audiovisuais, com sede em Belo Horizonte/MG,  é uma produtora que se dedica à produção de conteúdos para cinema e TV e ao desenvolvimento de projetos culturais nos diversos setores: música, teatro, dança, mostras de filmes, exposições e festivais. A empresa faz o gerenciamento financeiro, produção executiva, prestação de contas e logística de projetos artísticos e culturais, como mostras de cinema, curtas, médias e longas-metragens,  projetos audiovisuais, exposições e festivais de artes visuais, entre outros. Atualmente, estamos desenvolvendo três longas-metragens de documentário: “Gerais da Pedra”, “Eliana Silva: Mais uma ocupação” e “Castelo de Terra”, uma co-produção Brasil-França. Nosso objetivo é trabalhar com projetos autorais e artísticos que nos inspiram e nos apaixonam.

Dentre os trabalhos e projetos da empresa, destacam-se:

● Mostra de filmes “Reinventando Shakespeare” – Setembro de 2017 (Caixa Cultural RJ) – Itinerância;

● Produção de Comunicação do projeto CURA – Circuito Urbano de Arte – Agosto de 2017 (Belo Horizonte);

● Mostra de filmes “Corpo e Cinema” – Abril/Maio de 2016 (Caixa Cultural RJ);

● Mostra de filmes “Reinventando Shakespeare” – Fevereiro de 2016 (Caixa Cultural Curitiba);

● Mostra de filmes “O Cinema de Trinh T. Minh-ha” – Outubro de 2015 (Caixa Cultural RJ);

● Mostra de filmes “Argentina Rebelde” – Agosto de 2015 (Caixa Cultural RJ);

● Copyleft (Ficção. 29 min., 2015) – média-metragem de ficção. Direção: Rodrigo Carneiro. Selecionado no 48º Festival do cinema brasileiro – Brasília 2015, Mostra “Fragmentos de um Discurso Amoroso” do 26º Festival Internacional de curtas de São Paulo, 15º Goiânia Mostra Curtas, Mostra Panorama Nacional da 25ª edição do Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro – Curta Cinema 2015 Produção.

Produção
Co-produção
Logo Ana blanc.png
Amarillo.png
CA 0508/001/2017
Patrocínio
Apoio
Realização

© 2019 by Paula Arnoso. - www.paularnoso.com